Taquaritinga espera receber 100 mil foliões nas cinco noites do ‘Batatão’

Um quinto do público carnavalesco é formado por turistas, principalmente de Jaboticabal, Monte Alto e Matão

Durante 360 dias do ano, ele figura como um anônimo escondido no almoxarifado da Prefeitura de Taquaritinga. Mas, nas cinco dias restantes, o caminhão Chevrolet ano 60, roxo, estaciona no centro da Cidade para se ornar o palco do trio elétrico “Batatão”, que prevê reunir 100 mil até terça-feira, sendo que hoje, sexta-feira, deve animat o Carnaval de 20 mil foliões.

As ruas de Taquaritinga recebm de 10 mil a 20 mil pessoas por noite, com picos de 22 mil em dias como sábado e segunda. Cerca de 20% desse público vem de cidades da região, principalmente Jaboticabal, Monte Alto e Matão.

O boom populacional provocado pelos foliões exige que as ruas de Taquaritinga sejam preparadas, O quadrilátero central começa a ser fechado no fim da tarde, quando o comércio encerra o expediente. Além do apoio da PM, a Prefeitura contratou 120 seguranças, que revisam cada pessoa que queira chegar ao trio elétrico.

Pensando nos idosos e crianças, que chegam fantasiadas, como se fossem a um clube, a folia começa mais cedo. A Banda Matrix, com instrumentos de sopro, promove, a partir das 21h,  no sábado e segunda, o pré-Carnaval, ao som das tradicionais marchinhas. O som, cuja estrutura é sustentada pelo velho Chevrolet roxo amplifica-se pelas ruas da Cidade, graças às diversas torres de som. Das sacadas dos prédios e mesmo à beira da calçada, os vizinhos obrigatórios do trio não se queixam de estarem colocados à folia. Pelo contrário.

Saiba mais:  ‘Passagem da fogueira’, uma tradição que não resistiu ao tempo

Às 23h, as marchinhas cedem espaço ao som que justifica o termo trio elétrico. No entanto, a festa em Taquaritinga começa bem antes delas, as marchinhas. É que nas ruas, em torno do trio elétrico, grupos de amigos alugam casaões antigos e formam as chamadas repúblicas. Elas chegam a reunir 500 integrantes – o total de grupos, no entanto, chega a 40. São as repúblicas, os embriões dos blocos que desfilam junto com as escolas de samba, domingo e terça, além de participarem, no sábado e segunda, da Jardineira da Tarde e Caminhão da Alegria.