Perda de sensibilidade pode ser sinal de distúrbio neurológico

Neuropatia periférica afeta as extremidades do corpo e pode ser causada por diversas doenças, como diabetes e deficiência de vitamina B.

O nome pode ser estranho, mas a neuropatia periférica é uma doença bem comum. Estima-se que de 2 a 8% dos adultos tenham o distúrbio. É caracterizada pela perda da sensibilidade nas extremidades do corpo, causada pelo comprometimento dos nervos periféricos responsáveis por levar informações até o sistema nervoso central.

A neuropatia periférica, geralmente, está associada a uma outra doença. Entre as causas mais comuns, estão a diabetes e a deficiência de vitamina B. “Estudos sugerem que a neuropatia identificada no momento do diagnóstico da diabetes gira em torno de 7,5% dos casos. Após 20 anos de controle inadequado da glicemia, a doença pode chegar a afetar 60% dos pacientes”, alerta o ortopedista membro da Doctoralia, Rian Souza Vieira.

Ainda segundo o especialista, um nervo lesionado ou danificado compromete o funcionamento normal do sistema nervoso. “O paciente pode sentir dor, sem que haja um agente causador, ou não sentir nada, mesmo que esteja se machucando, por exemplo”, explica.

Foto: Divulação

Sintomas

Os sintomas podem variar de acordo com a gravidade e com o grupo nervoso afetado, que são divididos em:

  • Nervos sensoriais, que se conectam à pele;
  • Nervos motores, que se conectam aos músculos;
  • Nervos autônomos, que se conectam aos órgãos internos.

Segundo o especialista, os sintomas podem se desenvolver ao longo de dias, semanas ou anos. Em alguns casos, melhoram por conta própria e podem não exigir cuidados avançados. “Entre os principais, está a incapacidade de sentir vibrações e toques, especialmente nas mãos e pés, como se você estivesse usando luvas e meias. Além disso, há a incapacidade de coordenar movimentos, como caminhar ou manter o equilíbrio, quando os olhos estão fechados. Outros sintomas incluem a perda de reflexo, formigamento, fraqueza muscular, cãibras, fasciculados (contrações musculares descontroladas visíveis sob a pele) e encolhimento muscular”, revela.

Tratamento

O tratamento para neuropatia periférica depende inteiramente do tipo de lesão nervosa, sintomas e localização. “Não há cura para a neuropatia periférica, mas os tratamentos incluem antidepressivos, medicamentos para dor e medicamentos anticonvulsivos que buscam minimizar e gerenciar os danos. O distúrbio é desconfortável, mas os tratamentos podem ser muito úteis. A coisa mais importante a determinar é se a neuropatia periférica é o resultado de uma condição subjacente grave”, esclarece o especialista da Doctoralia, Rian Souza Vieira.

Para ajudar os pacientes no diagnóstico da neuropatia periférica e na busca por especialistas que tratam a doença, a P&G Health e a Doctoralia firmaram uma parceria através da campanha “Escute seus Nervos” . A ação conjunta das empresas contribuirá para a retomada das atividades de forma segura, oferecendo a telemedicina como uma das possibilidades de atendimento, auxiliando no diagnóstico precoce da neuropatia periférica. Estrelada pela Ana Maria Braga, a campanha está na TV aberta, Youtube e Redes Sociais. Para maiores informações e consultar profissionais especializados em neuropatia periférica acesse o link: www.doctoralia.io/neuropatiaperiferica/