Coluna Clikando – Presidente, eu não me calo!

Por: Gabriel Bagliotti*

Na semana em que assistimos a mais um ato contra a democracia e, principalmente, a liberdade de imprensa por parte do senhor presidente da república, gostaria de deixar aqui um pequeno recado ao atual líder da nação:

– Senhor presidente, eu não me calo!

Nem eu e, muito menos, nenhum dos milhares de jornalistas que o senhor e sua tropa adoram achincalhar. Somos pessoas, temos família, estudamos, trabalhamos e na maioria das vezes – todas elas – cumprimos uma agenda exaustiva.

Atualmente, durante está pandemia, corremos muitos riscos de infecção e contágio com um vírus que não existe remédio ou vacina – para exclusivamente levar informação ao povo brasileiro.

Mas há um limite para tudo na vida. Essas ofensas proferidas na última terça-feira, 5 de maio, foram além do aceitável. Não somos uma matilha amordaçada, até porque, a Constituição Federal de 1988 ressalta que “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato”, no inciso XIV do mesmo artigo, ao prever “é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional”, e finalmente no art. 220, ao dizer “a manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição”, ressaltando-se a redação de seu parágrafo 2º, segundo o qual “é vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística”. Sendo a liberdade de imprensa um dos pilares do Estado Democrático de Direito.

Educação vem de berço, e parece que isso está faltando ao comandante desta nação. Nação esta que vive a mais de seis anos em uma crise econômica, institucional, instalada dentro de uma gigantesca crise política, agora engolida pelo novo Coronavírus, vindo do ocidente. Isso está  varrendo economias e sistemas de saúde no mundo todo.

Na vida, senhor presidente, já dizia o ditado que há ferro e fogo não dá! Acredito que muitos, assim como eu, depositaram uma pequena esperança na gestão do senhor. Principalmente no discurso da mudança econômica e na luta constante no combate a corrupção.

Situações que de uns tempos pra cá, parecem ter ficado em segundo plano.

O Brasil precisa de muita união e esperança pra sair de todas essas crises. Penso que os estrategistas do governo deveriam orientá-lo, a coordenar esse (des) governo – que já não dá frutos.

A Covid-19 não deveria ser lidada de maneira política, mas sim de maneira científica e médica, já que nesta guerra o inimigo é invisível. Desde o momento em que politizaram a pandemia, o brasileiro ficou perdido e não sabe mais a quem escutar.

São prefeitos e governadores lutando para que a população fique em casa, cumprindo assim as orientações da Organização Mundial da Saúde, achatando a cursa e segurando o nosso já falido Sistema Único de Saúde – SUS!

Por sua vez, o senhor, a cada domingo sai para passear nos bairros e nos arredores de Brasília, arrastando seguidores e lamentavelmente participando de atos antidemocráticos. Incitando seus apoiadores contra uma classe que merece respeito e muita admiração, nós jornalistas!

Por isso, nem eu, e nenhum jornalista irá se calar!

*Gabriel Bagliotti é jornalista e diretor presidente de O Defensor