Arquivo Geral – Situação complicada

Por: Luiz Eduardo Schneider

Situação complicada

Dizem que na época da disseminação da “gripe Espanhola” também houve uma situação semelhante a que estamos vivendo nos dias de hoje, mas pouquíssimos se lembram do nosso planeta fechar literalmente para balanço. Os mais idosos não passaram tanto medo nem no tempo das duas grandes guerras e nem com o advento da Bomba Atômica. Com este vírus é diferente: aeroportos estão sendo fechados, a transição de um continente para o outro está sendo vigiada, nunca tivemos um episódio de shows sendo suspensos, de alunos sem aulas, de reuniões familiares serem adiadas, de pessoas amigas e amadas não poderem se abraçar, dos familiares terem que se isolarem dentro de seus quartos, dentro de suas casas… Enfim, uma situação nova para todos os habitantes da terra.

Semana Santa

No período da Páscoa, com a chegada da Semana Santa, muitos hão de se lembrar de sua infância. Não havia ovos pendurados nas armações dos supermercados, assim, a perder de vista. Mas, em toda casa, por mais simples que fosse, sempre havia um ovinho de chocolate. Se houvesse mais de um ovo, bem pequeno aliás, eram escondidos pela casa, pelo quintal e a criançada fazia a festa. O bom mesmo era a reunião familiar antes do domingo. Já começava na quinta-feira, com os preparativos do bacalhau, das batatas cozidas e do azeite, cheiroso, na cozinha.

Eleições municipais

Até meados de agosto, segundo o calendário eleitoral, os nomes dos pré-candidatos aos cargos eletivos, já devem estar – oficialmente – todos sacramentados. Assim, não adianta acreditar nos aviõezinhos que circulam pela cidade, dando conta de que alguns candidatos estão propensos a retirar a sua candidatura para apoiar outros. O melhor que o nosso cidadão faz é não dar ouvidos para estes boatos, que só tendem a desestabilizar os pré-candidatos.

Nossa agricultura

Até as redes de televisões brasileiras estão se dobrando à economia liderada pelo mundo agro. Quem assiste, com atenção, aos comerciais da mídia, está notando que há uma valorização dos produtos vindos da Terra. Na verdade, estão dando valor agora, ao que nós, de Taquaritinga, já vínhamos sentindo na pele desde muito tempo: a agricultura move a economia de modo que se ela vai bem, todo o resto também vai bem: comércio, escolas, restaurantes, etc. No entanto, as autoridades “lá de cima” ainda não se deram conta de que é preciso olhar com mais atenção para este setor.

Verdade

Sabe-se que o brasileiro está vivendo um período em que há uma desconfiança generalizada no homem público. Há, pelo menos, duas máximas na boca do povo, que comprovam esta tese: “Puxa-se uma pena e sai uma galinha inteira” ou “em cada enxadada, uma minhoca” para demonstrar que, em todo e qualquer setor público que se fiscalize, tem sempre uma irregularidade.

1º de abril, dia da mentira

Quem nunca pregou uma peça no Dia da Mentira, ou caiu em uma, que atire a primeira pedra. Comemorado no dia 1º de abril, o tal dia em que a mentira é liberada não é tão bobo quanto parece e tem origem histórica. O que pouca gente sabe é que o Dia na Mentira é muito, muito antigo. E mais: tem origem na França.

* Luiz Eduardo Schneider é jornalista e colaborador de O Defensor