Falsidade ideológica: Polícia prende em flagrante falso médico que pretendia registrar inscrição no Cremesp

Um falso médico foi detido pela polícia, em flagrante, na sede do Cremesp, na tarde do dia 16 de janeiro, utilizando documentos forjados para tentar obter o registro profissional para atuação em São Paulo. Conforme a imprensa noticiou, o nome do autor da infração é Ricardo Rolim Azevedo.

Ele foi conduzido ao 78º DP da Capital paulista, onde foi indiciado por falsidade ideológica e uso de documento falso.

A fraude foi descoberta após checagem dos documentos para a obtenção do registro, entregues ao Cremesp em 9 de dezembro de 2019, na delegacia regional de São Bernardo do Campo.

Após todo o processo de conferência documental, em que constava um diploma de Medicina de uma universidade do Rio de Janeiro, o Conselho confirmou que ele nunca havia sido aluno da instituição. Ao constatar a falsificação, o Cremesp acionou a polícia.

De acordo com a instituição de ensino, o autor da falsidade ideológica já havia tentado obter registro profissional em outros conselhos regionais de Medicina do País.

Além do indiciamento, haverá ainda um inquérito policial para apurar o exercício ilegal da Medicina, convocando as possíveis vítimas que teriam sido atendidas por ele.

O falso médico costumava postar imagens de seus supostos atendimentos no Facebook. Em suas redes sociais, ele se apresentava como médico veterinário e médico.

A ação da prisão em flagrante foi acompanhada pela imprensa, que deu destaque à preocupação do Cremesp em proteger a população, a fim de coibir a prática ilegal da Medicina. “Seguramente, este estelionatário causaria risco à população atendida, caso não houvesse esta iniciativa do Cremesp”, afirmou Angelo Vattimo, diretor 1º secretário do Cremesp.