Doenças cardiovasculares, a importância do diagnóstico precoce

  • O Dia Mundial do Coração, comemorado em 29 de setembro, alerta para prevenção e tratamento das doenças cardiovasculares, responsáveis por 30% das mortes no Brasil1

  • A Insuficiência Cardíaca (IC) merece atenção, pois é a segunda principal doença cardíaca no país, afeta até 3 milhões de brasileiros e não tem cura3

  • Há tratamentos disponíveis que contribuem no prognóstico ou diminuem a velocidade de progressão da doença, melhorando a qualidade de vida do paciente8

  • Campanha de alerta e estímulo ao diagnóstico nos dias 26 e 27 de setembro fará 2000 exames de glicemia e colesterol, fatores de risco para Insuficiência Cardíaca

Doenças cardiovasculares respondem por 30% das mortes no Brasil1. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), são registradas mais de mil mortes por dia, ou seja, 43 óbitos por hora ou ainda uma morte a cada 1,5 minutos (90 segundos) 1. E para esclarecer sobre os cuidados com o órgão vital, foi instituído o Dia Mundial do Coração, comemorado em 29 de setembro. Tempo de reflexão, prevenção e tratamento! Afinal a virada de chave para a redução estatística está na tríade.

Dentro deste cenário, a Insuficiência Cardíaca (IC) é um ponto de atenção. A enfermidade caracteriza-se pelo bombeamento inadequado do sangue, comprometendo as necessidades de oxigênio e de nutrientes dos tecidos e órgãos do corpo2. Trata-se da segunda principal doença cardíaca no país, que afeta até 3 milhões de brasileiros3.

A Insuficiência Cardíaca (IC) é mais comum em pessoas com mais de 65 anos4,5,6,7 e até por isso os sintomas da doença – como falta de ar, aumento de peso repentino, cansaço, falta de apetite, inchaço nos membros inferiores e fraqueza – são negligenciados, pois são confundidos com o processo natural do envelhecimento. “A implicação da não compreensão do quadro é enorme”, afirma Dr. Antonio Carlos Pereira Barretto (CRM 14921-SP), Diretor do Serviço de Prevenção e Reabilitação Cardiovascular do Instituto do Coração do HCFMUSP.

Outra variável importante é o tempo. Isso porque a enfermidade é progressiva e, muitas vezes, não é tratada com a urgência necessária, passando a ser negligenciada. “Por isso que é necessário alertar para o diagnóstico precoce, fundamental para reverter os danos e restaurar a função do músculo cardíaco. Para o coração, quanto mais tempo se perde, mais impactado fica o músculo. Ou seja, ‘tempo é músculo’, como bem definiu o cardiologista americano Eugene Braunwald”, afirma Dr. Pereira Barretto.

“Muitas pessoas não compreendem a real gravidade da Insuficiência Cardíaca (IC) que mata mais pessoas do que alguns tipos de câncer, como o de mama e o de próstata5”, explica Dr. Pereira Barretto. “Outro dado impactante: cerca de 50% dos pacientes não sobrevivem após cinco anos do diagnóstico6”, acrescenta o cardiologista.

Apesar de não ter cura, a Insuficiência Cardíaca (IC) tem tratamento capaz de melhorar o prognóstico e diminuir a velocidade de progressão da doença, aumentando a qualidade de vida do paciente8. “Há medicamentos que reduzem o risco de morte por causas cardiovasculares, diminuem as taxas de hospitalizações e devolvem a saúde aos pacientes no sentido amplo, passando pelo aspecto emocional, pela retomada das relações afetivas, lazer, da organização da vida financeira, entre outros aspectos”, acrescenta o especialista.

Muitas vezes, a doença é consequência de outras condições como infarto, pressão alta, doença de Chagas, diabetes e problemas renais ou pulmonares4. O impacto econômico do tratamento de pacientes com IC no SUS pode chegar a R$ 22 bilhões por ano3.

Sobre a Novartis – A Novartis está reinventando a medicina para melhorar e prolongar a vida das pessoas. Como líder global em medicamentos, utilizamos inovações científicas e tecnologias digitais para criar tratamentos transformadores em áreas de grande necessidade médica. Com foco na descoberta de novos medicamentos, estamos entre as principais empresas do mundo que investem consistentemente em pesquisa e desenvolvimento. Os produtos da Novartis alcançam mais de 750 milhões de pessoas em todo o mundo e estamos encontrando maneiras inovadoras de expandir o acesso aos nossos tratamentos mais recentes. Cerca de 105 mil pessoas de mais de 140 nacionalidades trabalham na Novartis em todo o mundo. Saiba mais em: www.novartis.com.

Referências

  1. Sociedade Brasileira de Cardiologia. http://www.cardiometro.com.br/. Acesso em Setembro de 2019.
  2. Heart Failure Matters. What is heart failure? Disponível em: http://www.heartfailurematters.org/en_GB/Understanding-heart-failure/What-is-heart-failure (Acessado em 06/07/2017).
  3. Stevens B, Pezzullo L, Verdian L et al. The Economic Burden of Heart Diseases in Brazil. World Congress of Cardiology & Cardiovascular Health 2016 Poster code: PS023.
  4. Bus Insuficiência Cardíaca. 2018.
  5. Albuquerque DC, Souza-Neto JD, Bacal F, et al. I Brazilian Registry of Heart Failure – Clinical Aspects.
  6. Ponikowski O, Voors AA, Anker SD, et al. 2016 ESC Guideline for the diagnosis and treatment of acute and chronic heart failure. Eur J Heart Fail. 2016 May 20.
  7. Albuquerque DC, Souza-Neto JDm Bacal F, et al. I Brazilian Registry of heart failure – Clinical aspects, Care Quality and Hospitalizations Outcomes. Arq Bras Cardiol 2015 104(6):443-442.
  8. Site no National Heart, Lung, and Blood Institute. How is heart failure treated? Disponível em: http://www.nhlbi.nih.gov/health/health-topics/topics/hf/treatment (Acessado em Setembro de 2019)

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de O Defensor. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Defensor poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."