Nossa Palavra – Nós te queremos assim bem forte

Ao comemorar 127 anos de emancipação político-administrativa nesta sexta-feira (16), Taquaritinga abre espaço para novos avanços em direção ao futuro. Ao alçar novos voos ao progresso e desenvolvimento (grande desejo da atual administração), o Município esbarra em alguns problemas do passado que teimam em voltar.

As picuinhas do passado não arredam pé das mentes tacanhas que ainda permanecem a cutucar o presente como erva daninha. Taquaritinga, por assim dizer, mesmo com o progresso obtido ainda mostra suas cicatrizes por ter pensado pequeno em seus projetos vindouros.

Assim mesmo, em que pesem as agruras que os munícipes têm passado (e o desemprego é marca patente nesse descaso) uma rápida pesquisa entre a população – mesmo as mais pobres – comprovam que a maioria ainda acredita num porvir maior e melhor para nossa terra e nossa gente.

Temos taquaritinguenses ilustres, outros nem tão ilustres, mas que deram seu quinhão de contribuição para a grandeza de Ribeirãozinho e o que veio depois. Um passado recheado de glórias e conquistas já faz parte do nosso álbum de memórias, desde o Clube Atlético Taquaritinga (CAT), passando pela Revolução Monarquista, pela construção do Estádio Taquarão em menos de 90 dias.

Contar a história de Taquaritinga em poucas páginas não é tarefa fácil. Por isso, com o falecimento do professor Pastore, o historiador Milve Peria está fazendo das tripas coração para colocar nossos fatos históricos em dia. O próprio chefe do Executivo costuma falar que Taquaritinga se desenvolve apesar dos prefeitos. A roda pode até parar de rodar, mas não voltará atrás nunca mais.

Costuma-se repetir o velho chavão de que quem bebe da água da Cidade sempre volta à fonte de origem. Os filhos de Taquaritinga sabem muito bem o que isso significa. Voltam e convidam outras a visitarem também a terra-mãe. O porto seguro sempre foram as festas carnavalescas. O Município sempre abrigou ótimos corsos de Momo.

No entanto, a Cidade sempre se destacou no esporte e na música. A Fascinação Banda Show, por exemplo, sempre foi um orgulho para o Município. Outro destaque sempre foi o Clube Atlético Taquaritinga (CAT), com o inesquecível Estádio Antônio Storti. Mas Taquaritinga não foi destaque só no futebol: teve Koike – campeão sul-americano em salto com vara e Moraninho também campeão na mesma modalidade.

Tivemos Augusto Nunes, apresentador do programa Roda Viva durante anos na TV Cultura, Darcy Higobassi (repórter esportivo do jornal O Estado de S. Paulo), poetisas como Ivete Tannus, de renome internacional e poetas como José Paulo Paes.

Ficaríamos horas desfiando vantagens e conquistas, além do meio-ambiente que temos o privilêgio de ter a Serra do Jabuticabal, onde um famoso cientista há décadas pronunciou uma frase sintomática: cuidem bem da Serra, ela é o escudo do Município, o que protege a Cidade das intempéries, dos vendavais e das tempestades. Infelizmente, todavia, não temos cuidado tão bem da nossa Serra.

Ela é vítima constante do desmatamento e da sanha criminosa do homem.

Enfim, Taquaritinga sempre presente nas artes e escritos, é referência para o mundo e, com certeza, será sempre mostrando nossos filhos para a história.  Hoje, por exemplo, Taquaritinga se destaca em diversas modalidades esportivas. A Cidade que não esquece de seus antepassados e – muito menos – de seus futuros parceiros. Taquaritinga hoje é bandeira nacional: nós te queremos assim bem forte!