Dimas Ramalho e Edmilson de Morais: coincidências na vida profissional

Tanto na política como no futebol, os dois taquaritinguenses sempre defenderam a bandeira de Taquaritinga

Redação: Luiz Eduardo Schneider

Dois taquaritinguenses, Dimas Eduardo Ramalho e Edmilson José Gomes de Morais sempre se mostraram duas pessoas no âmbito nacional e internacional, na política e no futebol, que muito divulgaram, positivamente, a cidade de Taquaritinga. Por isso mesmo, falar de ambos é o mesmo que “chover no molhado”.

Porém, não é assim, simples, descrever aquilo que já mostraram, durante o desenrolar na vida profissional. O começo, todos sabem, é muito difícil e o sucesso só é alcançado em razão do trabalho sério desenvolvido ao longo do tempo. Com Dimas e Edmilson, cujas coincidências comprovam, na prática, a razão deste comentário, foi assim.

No âmbito político, Dimas Ramalho, mesmo nunca tendo participado, diretamente, das eleições municipais em Taquaritinga, sempre esteve ligado nesse contexto, em razão do comportamento na linha política vivida intensamente pelo pai, o saudoso Dr. Horácio Ramalho, que inclusive administrou a Cidade por vários meses, além de ocupar o cargo de vice-prefeito.

Dimas Ramalho, desde os tempos do I. E. E. “9 de Julho”, mostrava a paixão pela política, sendo eleito, à época, presidente da Liga Estudantil “Machado de Assis”, o Lema, associação ligada diretamente aos estudantes do antigo ginásio e que determinava quais os procedimentos a serem seguidos dentro da esfera estudantil.

Depois de formado, seguiu sua carreira vitoriosa, a qual se destacou, em 1986, como diretor da 12ª região administrativa de Araraquara, cargo recebido na administração do governador Orestes Quércia. Em 1990, candidatou-se, pela primeira vez, a deputado estadual, ficando como suplente, assumindo uma cadeira na Assembléia Legislativa em 1992, sendo reeleito em mais duas oportunidades para o cargo de deputado estadual.

Em 2002, avançou ainda mais, elegendo-se deputado federal, conquistando a reeleição em 2006 e 2010. Foi também secretário estadual da Habitação e secretário municipal de São Paulo. Em 2012, ingressou como conselheiro no Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Em 2016, assumiu a cadeira de presidente do TCE-SP, sempre com a mesma humildade demonstrada em tempos de grupos escolares.

Com Edmilson, as coisas no futebol não foram muito diferentes de Dimas. No âmbito profissional, nunca atuou pelo Clube Atlético Taquaritinga (CAT), mas sempre acompanhou de perto as coisas do “Leão”. Sua grande chance para o futebol aconteceu em 1996, quando atuava pelo XV de Jaú. Levado pelo técnico José Poy ao São Paulo, na época de Telê Santana, Edmilson caiu no agrado do torcedor sãopaulinho, conquistando vitórias importantes dentro do clube do Morumbi.

Vendido ao futebol francês e depois ao futebol espanhol, o craque nascido no Jardim São Sebastião, conquistou os maiores títulos de sua história, sendo convocado para defender a seleção brasileira em 2002, pelo técnico Luiz Felipe Scolari, tornando-se pentacampeão mundial de futebol naquela oportunidade.

Jogou em outros clubes da Espanha, retornando ao Brasil, atuando pelo Palmeiras e encerrando a carreira no Ceará. Mas não parou de trabalhar. Em 2006, inaugurava em Taquaritinga, no bairro onde nasceu, a Fundação Edmilson “Semeando Sonhos”, entidade sem fins lucrativos, que agrega, anualmente, mais de 300 crianças, as quais desenvolvem todo tipo de atividade, com participação nos mais diversos acontecimentos esportivos e culturais de Taquaritinga e região.

Em 2015, filiou-se ao PRB, sendo, meses depois, eleito presidente do diretório municipal do partido em Taquaritinga, onde desfruta de muita popularidade.