Cidade alegria: Santa Ernestina comemora 54 anos de emancipação político-administrativa

Marcada por seu acolhimento e solidariedade, Santa Ernestina está localizada a uma altitude de 570 metros e conta com um pouco mais de 7 mil habitantes.

Povoada por famílias que buscavam espaços férteis para plantação e oportunidade para atividades comerciais, a história da “Cidade Alegria” assemelha-se, em sua origem e formação, à maioria das cidades brasileiras.

Tudo começou em 1888, quando Manuel de Almeida Rollo e sua esposa Rachel Umbellina de Almeida chegaram à região que, na época, tinha as terras cobertas de mata virgem e fechada. Mesmo sendo quase uma floresta, ali se abrigavam pequenas povoações. O casal decidiu ficar e iniciou várias culturas, começando pelo café. Sua propriedade foi denominada de Fazenda das Posses. Manuel de Almeida Rollo faleceu em 10 de novembro de 1937, deixando Rachel e uma descendência de 20 filhos, 38 netos, 75 bisnetos e 8 tataranetos.

Aos poucos o núcleo populacional foi aumentando e dando corpo à cidade que levou o nome de uma “santa” que não existe. A intenção foi homenagear a nora do fundador da Estrada de Ferro Araraquarense (EFA), Carlos Baptista de Magalhães, que lá implantou uma estação. Ernestina Reis de Magalhães foi casada com o “Barão do Café” Carlos Leôncio de Magalhães, o maior cafeicultor do Brasil no início do Século XX, com quem teve oito filhos.

A grande dama, senhora de elevadas virtudes cristãs, nasceu no Rio de Janeiro, em 1876, filha de José Monteiro Rios e Adelaide Monteiro Palha, viveu na lendária Fazenda Cambuhy, em Matão, entre 1900 e 1914, e faleceu em São Paulo, em 1968.

A estação ferroviária, inaugurada em 2 de abril de 1901 foi construída para favorecer o escoamento de café, oriundo da fazenda de Carlos Magalhães, que ficava na região. Na época, quase não havia moradores no lugar, destacam apenas dois: Manoel de Almeida Rollo e João Lourenço Leite, o qual doou terras para um pequeno loteamento. Para identificar a parada do trem, todavia, foi posto a princípio, o nome de “Estação Ernestina”.

Logo em seguida, começou a formar um povoado ao redor da estação, o qual foi batizado como “Vila de Santa Ernestina”, passando a ser distrito de Taquaritinga.

Apesar do café, ter sido a principal atividade agrícola no passado, acabou substituído pela citricultura a partir dos anos 60, a qual Santa Ernestina era conhecida como a “Terra da Laranja”, por fim, acabou também cedendo esse cultivo ao plantio de cana, que se fortaleceu. Atualmente a economia gira em torno de usina sucroalcooleira e do comércio da cidade.

Emancipada em 1964, a cidade de Santa Ernestina comemora seu aniversário todo dia 21 de março de cada ano.

Parabéns Cidade Alegria, pelos seus 54 anos!

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de O Defensor. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Defensor poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."