Medidas sanitárias: Tripulantes de navio cruzeiro são investigados por suspeita de rubéola

Segundo a MSC, os tripulantes relataram à equipe do centro médico do navio sobre os sintomas que poderiam indicar possíveis casos de rubéola.

A suspeita de que tripulantes do navio MSC Seaview tivessem contraído rubéola levou equipes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Grupo de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo (GVE) e da Seção de Vigilância Epidemiológica (Seviep) de Santos a fazerem uma investigação epidemiológica no navio, no último dia 16.

Segundo a Anvisa, 13 tripulantes tiveram amostras coletadas e encaminhadas para análise laboratorial. O resultado deve sair nos próximos dias. “As medidas de controle tomadas foram isolamento dos suspeitos no mesmo deck do navio, a fim de garantir maior segurança no controle da propagação da doença e a limpeza e desinfecção do centro médico, cabines e áreas comuns do navio”, disse o órgão.

A Secretaria de Saúde de Santos informou que as equipes estiveram no navio na manhã de sábado e constataram que os sintomas dos tripulantes não eram homogêneos. Segundo a secretaria, eles passam bem, mas foram isolados no mesmo pavimento do navio para facilitar as medidas sanitárias. A Anvisa disse que os tripulantes ficarão isoladas até que o resultado das análises seja divulgado e os sintomas desapareçam.

O restante da tripulação e os passageiros não apresentaram os sintomas e foram liberados. De acordo com a Secretaria de Saúde, todos os passageiros que desembarcaram foram orientados sobre os sinais da doença e os procedimentos necessários caso os sintomas venham a ocorrer. A secretaria informou ainda que o centro médico do navio está investigando a carteira de vacinação dos mais de 1.500 tripulantes para verificar quem já é vacinado contra a rubéola.

Segundo a MSC, os tripulantes relataram à equipe do centro médico do navio sobre os sintomas que poderiam indicar possíveis casos de rubéola. Por isso, eles foram isolados em suas cabines e “permanecem recebendo todo o atendimento médico necessário”.

“Após concluir o seu procedimento padrão de inspeção, a Anvisa liberou o navio para continuar a sua viagem”, diz a nota da empresa.

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil recebeu, no dia 23 de abril de 2015, um documento da verificação da eliminação da rubéola e da síndrome da rubéola congênita no país. Dados do Ministério da Saúde apontam que, entre 2009 e 2017, nenhum caso de rubéola foi constatado no país. Os dois últimos óbitos no país por rubéola ocorreram em 2003, na Região Nordeste.

A rubéola é uma doença aguda, de alta contagiosidade, transmitida pelo vírus do gênero Rubivirus. A doença também é conhecida como “sarampo alemão”. Os sintomas da doença são febre baixa e surgimento de gânglios linfáticos e de manchas rosadas, que se espalham primeiro pelo rosto e depois pelo resto do corpo.

Fonte: Agência Brasil

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de O Defensor. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Defensor poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."