Reajuste de 35% do gás é um absurdo, afirma Fiesp

Federação é contra aumento abrupto de um dos principais insumos da indústria e cobra solução rápida da ARSESP.

A Fiesp repudia o reajuste absurdo de 35% em média das tarifas de gás natural do Estado de São Paulo, anunciado pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (ARSESP) em 1º de fevereiro, para aplicação imediata.

Não há empresa capaz de lidar com variação abrupta de 35% no custo de qualquer insumo.

“Um reajuste dessa magnitude é uma afronta. Isso atinge a competividade e a saúde financeira das indústrias e eleva o custo do produto final, afetando toda a sociedade”, diz o presidente da Fiesp e Ciesp, Paulo Skaf. “É preciso que a ARSESP tome medidas para atenuar esse aumento, uma vez que é impossível absorver esse impacto de um dia para o outro.”

A Fiesp espera que a ARSESP encontre uma solução razoável para evitar um desequilíbrio de mercado e prejuízo às empresas e aos consumidores.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de O Defensor. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Defensor poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."