29 de agosto – Dia Nacional de Combate ao Fumo

Instituída em 1986, pela lei nº 7488, como data comemorativa ao Dia Nacional de Combate ao Fumo, dia 29 de agosto busca a conscientização e mobilização da população sobre os riscos ocasionados pelo consumo do cigarro.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o tabagismo é a principal causa de morte evitável no planeta, sendo considerado um problema de saúde pública, pois está relacionado a mais de 50 doenças.

O cigarro é responsável por 30% das mortes por câncer de boca, 90% das mortes por câncer de pulmão, 25% das mortes por doença do coração, 85% das mortes por bronquite e enfisema e 25% das mortes por derrame cerebral. Cerca de 200 mil pessoas morrem todos os anos no Brasil em decorrência do fumo.

A médica pneumologista Géssica Gomes, do Instituto Brasiliense de Otorrinolaringologia (Iborl), destaca que podemos encontrar mais de 4,7 mil substâncias tóxicas e cancerígenas no cigarro, como o alcatrão e a nicotina. Ela alerta que esses elementos são encontrados na fumaça e que esta pode causar problemas sérios, como câncer e outras doenças, tanto em quem fuma quanto quem fica próximo a essas pessoas, os famosos fumantes passivos.

“A nicotina age como estimulante do sistema nervoso central. No momento em que a pessoa começa a inalar a fumaça: a pressão sanguínea e a frequência cardíaca se elevam, diminui o apetite e desencadeia náusea e vômito. Já o alcatrão, que é formado por várias substâncias, está ligado a doenças cardiovasculares, câncer, entre outras”, explica a médica.

Não só o fumo ativo, mas também o fumo passivo (que atinge não-fumantes) aumenta os riscos de doença em 30% para câncer de pulmão e em 24% para infarto.

Devido à presença da nicotina, o cigarro é capaz de causar dependência similar àquela provocada pela cocaína, aumentando a prevalência do diagnóstico de câncer de pulmão (terceiro tipo de tumor mais freqüente) e dificulta a capacidade de parar de fumar.

“Infelizmente o câncer de pulmão é um tumor silencioso e quando começa a apresentar sintomas como falta de ar, tosse, presença de sangue no escarro, dor no peito, perda de peso, já está em um estágio avançado da doença, e sua cura não é mais possível”, aponta a pneumologista.

Em contrapartida, como boa notícia, um estudo recente do Ministério da Saúde aponta que o brasileiro está deixando de fumar. Segundo a pesquisa, de 2006 a 2017 o número de fumantes diminuiu de 15,7% para 10,1%. Ainda segundo a pesquisa, o consumo de tabaco nas capitais brasileiras reduziu em 36%, no mesmo período.

Apesar da redução, o consumo ainda é preocupante e há a necessidade de uma maior conscientização da população.

De acordo com a Dra Géssica, “ao interromper o tabagismo, a pessoa não recupera as áreas já afetadas do pulmão, mas para de agredir as áreas sadias, não progredindo assim com a doença”. Ela afirma que o importante é prevenir a doença.

A lei Antifumo (lei nº 12.546/11), que determina a proibição do ato de fumar em ambientes coletivos, públicos ou privados, colaborou com a redução dos índices elevados de fumantes nos últimos anos.

Para aqueles que pretendem parar de fumar, o Sistema Único de Saúde (SUS) garante tratamento gratuito, disponibilizando medicamentos, além de fornecer acompanhamento profissional.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião de O Defensor. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Defensor poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."