Artigo: Pela volta da credibilidade da classe política

Welson Gasparini*

Li, recentemente, em jornal paulistano, o resultado de uma pesquisa feita pelo Fórum Econômico Mundial e, mesmo antevendo que os resultados não deveriam ser bons para o Brasil, fiquei horrorizado: tratava-se da confiança do povo nos políticos, do nível de confiança do povo nos políticos. Dentre 137 países do mundo, o Brasil está em último lugar!! Isto, apesar de me entristecer, não me surpreendeu: se perguntarmos nas ruas, sem citar nomes, o que o povo pensa da classe política, a maioria vai dizer ‘é gente que não presta”, “são ladrões”, “são corruptos’. É este, lamentavelmente, o conceito da Nação quanto aos seus políticos.

Mas quem, entretanto, elege os políticos? São os eleitores, o povo.

Neste ano, teremos eleições. Será uma grande chance do eleitor fazer  uma limpeza na política. A política está suja? É verdade. Então, vamos limpá-la…. Mas como?  Em primeiro lugar, cada partido deve escolher gente boa e o eleitor, dentre os bons candidatos, deve preferir os melhores!

A questão partidária, no Brasil, eis um entrave, está lastimável.  Temos mais de 35 partidos oficiais recebendo verbas do chamado Fundo Partidário e mais 68 pedindo registro. Se todos forem aprovados, o Brasil será campeão mundial no número de partidos: terá quase 100 partidos políticos. Agora se perguntarmos qual a filosofia, quais os princípios defendidos por cada partido, vamos encontrar um imenso vazio porque a maioria dos partidos, na realidade, só existe para tirar vantagens.

Para mudar essa situação eu defendo uma grande reforma política no Brasil, a começar pela diminuição do número de parlamentares. Lá em Brasília, por exemplo, eu fui deputado federal; eu era um entre 513. Calculem: se cada um apresentar dois projetos por ano, serão mil projetos. Quando esses projetos serão discutidos e votados no Parlamento nacional? Nunca.

Saiba mais:  Inverno começa hoje com baixas temperaturas

Mesmo na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP), somos 94 deputados. Defendo uma redução no número de parlamentares com a divisão do estado de São Paulo em 10 regiões político-administrativas e cada uma podendo eleger três deputados estaduais. Seriam 30. Mas podemos, porém, aumentar um pouco: em vez de 94, reduzir pela metade e, assim, estaríamos reduzindo pela metade o custo da Assembleia Legislativa, hoje chegando a perto de um bilhão de reais por ano.

Também acho necessário diminuir o número de partidos. Não precisaríamos mais do que quatro ou cinco. Defendo, assim, eleições distritais e a adoção do parlamentarismo, bem como a proibição da reeleição de quem esteja no poder executivo porque estabelece-se uma concorrência desigual com quem esteja de fora.

Defendo, enfim, uma grande reforma política neste País para eliminar esse conceito de que “nenhum político presta”, de que a classe política está desmoralizada e para dar lugar a representantes conceituados, bem escolhidos e dignos da confiança da população.

Para recuperar sua credibilidade, a classe política precisa aprender a conquistar e a merecer – através de atitudes e compromissos explícitos – a confiança dos seus eleitores!!!


*deputado estadual (PSDB), advogado e ex-prefeito de Ribeirão Preto.