Artigo: Brasil piora no ranking da corrupção

Welson Gasparini*

É um fato, sem qualquer dúvida, entristecedor: o Brasil teve uma forte piora no ranking que avalia a percepção da corrupção no mundo divulgado na última quarta-feira, 21, pela Transparência Internacional. Nosso país caiu 17 posições em comparação ao ano anterior e ocupa o 96° lugar na lista de 2017, a qual avalia a corrupção do setor público em 180 países. Numa escala  de zero (mais corrupto) a 100 (menos corrupto), o Brasil aparece com 37 pontos, três a menos do verificado  em 2016; trata-se da pior situação dos últimos cinco anos. Atualmente, o Brasil divide a 96ª posição com Colômbia, Indonésia, Panamá, Peru, Tailândia e Zâmbia, ficando  atrás de países como Timor Leste, Sri Lanka, Burkina Faso, Ruanda e Arábia Saudita.

Desde 2014, o índice de percepção da corrupção (IPC) vem piorando no Brasil, que também deteriorou sua posição relativa a outras nações em desenvolvimento: estamos, agora,  à frente apenas da Rússia, detentora de  29 pontos.

De acordo com o levantamento, elaborado a partir das percepções de especialistas e de empresários acerca dos níveis de corrupção em 180 nações, o Brasil hoje é apenas o 96º país quando o assunto é a lisura no setor público.

O líder do ranking mundial é a Nova Zelândia, com nota 89. Na América do Sul, o melhor colocado é o Uruguai, ocupando a 23ª posição com a nota 70. Já a pior situação na América Latina é a da Venezuela, com nota 18 e classificada em  169ª.

Além de considerar a opinião de especialistas e de pessoas do mundo dos negócios, o estudo também leva em conta a liberdade de imprensa verificada em cada nação. Segundo os dados levantados pela Transparência Internacional, quanto maior o índice de corrupção de um país, maior o número de jornalistas assassinados naquela região.

Saiba mais:  Festa do Peão de Taquaritinga elege rainha, princesas e garoto rodeio de 2018

De acordo, porém,  com essa ONG,  as nações do continente americano progrediram no combate à corrupção nos últimos anos devido às investigações de grandes esquemas como o caso Odebrecht, que ultrapassou a fronteira brasileira para também ganhar corpo em países como o Equador e o Peru.

Os responsáveis pelo estudo consideram,  ainda, 2018, como um ano “crucial” para o combate à corrupção na América Latina e nos países do Caribe, uma vez que muitas nações terão eleições gerais neste ano – como é o caso do Brasil.

“Os candidatos e partidos – defende a ONG –  têm uma importante oportunidade de incluir propostas de combate à corrupção em suas campanhas e promover uma mudança estrutural. Para impulsionar de modo verdadeiro os esforços contra essas práticas criminosas na região, os governantes devem promover políticas que demonstrem o comprometimento de longo prazo com a causa”.

É um posicionamento responsável e com o qual eu me identifico: neste ano o eleitor brasileiro – conforme tenho frisado em artigos e pronunciamentos na ALESP – terá a possibilidade, através do voto livre e consciente, de banir os corruptos e dar voz e vez a quem se  proponha a trabalhar –  com ética, idealismo,  honestidade e competência – pelo bem  da comunidade brasileira.

*deputado estadual (PSDB), advogado e ex-prefeito de Ribeirão Preto.